Pular para o conteúdo principal

Exposição internacional de Mari Bueno pode ser vista até o domingo (20)


Última chamada para quem ainda não teve a oportunidade de visitar a nova exposição da artista plástica Mari Bueno. Depois de passar por museus de Portugal e Itália, e em cartaz no Museu de Arte Sacra de Mato Grosso desde janeiro, a exposição “Maria, Discípula Missionária” segue só até este domingo (20), e apresenta 31 obras em óleo sobre tela temáticas.


Em exibição, treze telas que retratam a vida de Maria, desde a anunciação até a coroação de Nossa Senhora como Rainha do Céu e da Terra, e outras 18 peças revelam como ela é vista por diferentes culturas de outros países.

“Maria, Discipula Missionária está em exposição em Cuiabá desde 14 de janeiro deste ano, mas circula por importantes espaços dedicados à arte com viés religioso desde de 2014. O Museu de Arte Sacra e Etnologia, de Fátima, em Portugal, foi o primeiro a recebê-la, em maio de 2014. Já em junho de 2015, as telas foram expostas na Basílica de Santo Ambrósio, durante a Expo Milano 2015, em Milão, na Itália. Logo, em setembro, chegaram ao Brasil para apreciação de visitantes da Basílica do Santuário Nacional de Aparecida, onde ficou até o final de outubro, período em que a exposição recebeu a visita de 120 mil devotos. Em novembro, foi a vez de Sinop.

Em Cuiabá, a mostra coroa um ciclo do projeto que cumpriu um de seus principais objetivos, o de ser um trabalho evangelizador e catequético. “Foi um circuito que começou em maio de 2014 em Portugal, passou pela Itália, esteve no Santuário da padroeira do Brasil e agora chega a Mato Grosso.

Desta forma, o público mato-grossense não só tem acesso ao acervo de outros museus que chegam a Mato Grosso via Museu de Arte Sacra de Mato Grosso, mas especialmente por conta deste espaço, pode apreciar também a produção regional que se adequa à temática religiosa com grande qualidade estética da arte.

O Museu de Arte Sacra de Mato Grosso funciona de terça-feira a domingo, das 9 às 17 horas e é administrado via contrato de gestão entre a Secretaria de Estado de Cultura e a Associação Casa de Guimarães.

A entrada custa R$2 de terça a sábado, aos domingos, entrada franca.

Comentários

  1. Eu sou uma pessoa que oferece empréstimos a juros baixos para indivíduos, pequenas empresas, investimentos pessoais etc ... são empréstimos locais e internacionais para pessoas em todo o mundo. Contacte - me hoje e deixe-me saber a quantidade de dinheiro que você quer. Estou pronto para dar-lhe esse empréstimo em um prazo máximo agitou-se durante 48 horas ou 72 horas após a recepção do pedido. Contacte - me para obter informações sobre os termos de empréstimo. E-mail: sophiacarlot2@gmail.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os Jurunas (Yuruna, Yudjá)

Os Jurunas tem como tronco linguístico o Tupi da família Tupi-Juruna, se localizam ao norte do Parque Indígena do Xingu, bem como junto ao baixo Rio Xingu, no Pará, num local denominado Terra Indígena Pequiçamba. Conhecidos como Jurunas, cujo significado “Bocas Pretas” é devido à pintura preta que descia do alto da cabeça até em volta da boca. No meado do século XIX, tinha uma população de mais de 2.000 pessoas, hoje são aproximadamente 390 pessoas (dados Unifesp/2012), vivendo em seis aldeias: Tubatuba, Pakisamba, Pakaya, Paroreda, Pequizal e Kamai.

Santo do pau oco no Museu de Arte Sacra

A expressão surgiu provavelmente em Minas Gerais, entre o final do século XVII e o início do século XVIII. Era o Período Colonial, o auge da mineração no País.

Para driblar a cobrança do "quinto", o imposto de 20% que a Coroa Portuguesa cobrava de todos os metais preciosos garimpados no Brasil, santos em madeira oca eram esculpidos e, posteriormente, recheados de ouro.

História de Nossa Senhora Aparecida, e algumas representações artísticas

A imagem de Nossa Senhora Aparecida foi encontrada por dois pescadores do Rio Paraíba do Sul, na região de  Guaratinguetá, estado de São Paulo, por volta do ano de 1717. Os pescadores Domingos Martins Garcia, João Alves e Filipe  Pedroso já pescavam há bastante tempo, sem que conseguissem tirar peixe algum das águas do rio. Foi quando João trouxe em sua rede a parte correspondente ao corpo da imagem e, depois, lançando a rede um pouco mais distante, trouxe nela a cabeça da Senhora. Dali por diante, a pescaria tornou-se copiosa e, receosos de que a quantidade de peixe trazida para os barcos ocasionasse um naufrágio, os três amigos voltaram para casa, trazendo a imagem e contando a todos o prodígio que haviam vivido.