Pular para o conteúdo principal

Ingressos





MEIA-ENTRADA

• Crianças e jovens de 6 a 21 anos: documento original de identificação com foto que contenha a data de nascimento do visitante.

• Estudantes de escolas particulares e de universidades particulares ou públicas: Carteira de Identificação Estudantil (CIE) emitida pela ANPG, UNE, UBES, entidades estaduais e municipais, Diretórios Centrais dos Estudantes, Centros e Diretórios Acadêmicos, conforme modelo único nacionalmente padronizado. Os elementos indispensáveis da CIE são: nome completo e data de nascimento do estudante; foto recente do estudante; nome da instituição de ensino na qual o estudante esteja matriculado; grau de escolaridade; e data de validade até o dia 31 de março do ano subsequente ao de sua expedição.

• Professores da rede privada de ensino: Contracheque acompanhado de documento de identidade com foto.

• Pessoas com deficiência: aceita-se a autodeclaração, ou seja, não é necessário apresentar qualquer documento comprovatório.

• Servidores públicos do município de Cuiabá: crachá de identificação funcional e documento original de identidade com foto.

• Moradores ou naturais da cidade de Cuiabá: para moradores da cidade de Cuiabá, aceita-se comprovante de residência não anterior a três meses (por exemplo: contas de consumo de água, energia elétrica, telefone fixo ou móvel, boleto bancário de mensalidade escolar ou plano de saúde, condomínio ou financiamento habitacional, fatura do cartão de crédito, extrato bancário de outras contas, corrente ou poupança, empréstimo ou aplicação financeira etc.), acrescido de documento original de identificação com foto. Quem tem estes comprovantes de residência em nome dos pais ou cônjuges deve apresentar também um documento atestando a filiação (como certidão de nascimento ou carteira de identidade) ou a união legal do casal (como certidão de casamento ou de união estável). Para naturais da cidade de Cuiabá, aceita-se somente o RG.

• Portadores da carteira de Identidade Jovem: a carteira é emitida pela Secretaria Nacional de Juventude e deve ser apresentada acompanhada de documento de identificação com foto expedido por órgão público.

GRATUIDADE

• Estudantes da rede pública de ensino fundamental e médio: Carteira de Identificação Estudantil (CIE) emitida pela ESCOLA, UNE, UBES, entidades estaduais e municipais, Diretórios Centrais dos Estudantes, Centros e Diretórios Acadêmicos, conforme modelo único nacionalmente padronizado. Os elementos indispensáveis da CIE são: nome completo e data de nascimento do estudante; foto recente do estudante; nome da instituição de ensino na qual o estudante esteja matriculado; grau de escolaridade; e data de validade até o dia 31 de março do ano subsequente ao de sua expedição.

• Professores da rede pública de ensino: carteira funcional emitida pela Secretaria Municipal e Estadual de Educação e documento original de identificação com foto.

• Professores de universidades públicas: carteira funcional emitida pelo órgão competente (Estado ou Município) e documento original de identificação com foto.

• Crianças com até 5 anos ou idosos a partir de 60 anos: documento original de identificação com foto que contenha a data de nascimento do visitante.

• Funcionários de museus ou associados do ICOM: carteira da instituição com selo da anuidade.

• Cuidador de pessoas com deficiência: aceita-se a autodeclaração, ou seja, não é necessário apresentar qualquer documento comprovatório.

• Guias de turismo: documento que comprove a inscrição no sindicato da categoria.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

História de Nossa Senhora Aparecida, e algumas representações artísticas

A imagem de Nossa Senhora Aparecida foi encontrada por dois pescadores do Rio Paraíba do Sul, na região de  Guaratinguetá, estado de São Paulo, por volta do ano de 1717. Os pescadores Domingos Martins Garcia, João Alves e Filipe  Pedroso já pescavam há bastante tempo, sem que conseguissem tirar peixe algum das águas do rio. Foi quando João trouxe em sua rede a parte correspondente ao corpo da imagem e, depois, lançando a rede um pouco mais distante, trouxe nela a cabeça da Senhora. Dali por diante, a pescaria tornou-se copiosa e, receosos de que a quantidade de peixe trazida para os barcos ocasionasse um naufrágio, os três amigos voltaram para casa, trazendo a imagem e contando a todos o prodígio que haviam vivido.

Os Jurunas (Yuruna, Yudjá)

Os Jurunas tem como tronco linguístico o Tupi da família Tupi-Juruna, se localizam ao norte do Parque Indígena do Xingu, bem como junto ao baixo Rio Xingu, no Pará, num local denominado Terra Indígena Pequiçamba. Conhecidos como Jurunas, cujo significado “Bocas Pretas” é devido à pintura preta que descia do alto da cabeça até em volta da boca. No meado do século XIX, tinha uma população de mais de 2.000 pessoas, hoje são aproximadamente 390 pessoas (dados Unifesp/2012), vivendo em seis aldeias: Tubatuba, Pakisamba, Pakaya, Paroreda, Pequizal e Kamai.

Santo do pau oco no Museu de Arte Sacra

A expressão surgiu provavelmente em Minas Gerais, entre o final do século XVII e o início do século XVIII. Era o Período Colonial, o auge da mineração no País.

Para driblar a cobrança do "quinto", o imposto de 20% que a Coroa Portuguesa cobrava de todos os metais preciosos garimpados no Brasil, santos em madeira oca eram esculpidos e, posteriormente, recheados de ouro.