Pular para o conteúdo principal

Retábulos da antiga Catedral ganham destaque no Museu de Arte Sacra de MT




Após dois anos inacessível, o Museu de Arte Sacra de Mato Grosso abrirá novamente suas portas para o público nesta quinta-feira (07), a partir das 19h. A novidade maior fica por conta da ampliação de seu acervo, dando espaço a duas novas alas da exposição permanente do Museu.
Um desses espaços ficará reservado a instrumentos musicais, entre eles, uma sala que expõe piano de estante e órgão de pedaleira, instrumentos que já pertenceram a Igreja do Bom Jesus de Cuiabá do período colonial.
Na outra nova ala, talvez a mais aguardada, o destaque é para os retábulos da antiga Catedral demolida em 1968. Tratam-se de dois retábulos, que consistem em uma estrutura ornamental que se elevam na parte posterior dos altares remetentes aos séculos XVIII e XIX. 
As estruturas possuem 8 metros de altura cada, são originais da igreja implodida, um neoclássico e um barroco rococó, montados um de frete para o outro, exatamente como estavam organizados originalmente na Igreja Senhor Bom Jesus de Cuiabá. Além dos retábulos, a mesa do altar, do retábulo neoclássico, está montada com crucifixos e tocheiros utilizados à época compões a exposição.
“Remontar os antigos retábulos da Catedral foi uma das mais complexas ações que abarcamos nestes últimos dez anos. Um trabalho que vem sendo realizado desde 2005, e que inclui reintegração das partes faltantes, higienização, descupinização, identificação, catalogação, pesagem e, por fim, montagem de cada um deles em estruturas autoportante, parte por parte, que são fixadas como um quebra-cabeça em grande escala”, revela Viviene Lozi, coordenadora do Museu de Arte Sacra de Mato Grosso. 



“Organizamos peça por peça e calculamos tudo, pesos e medidas. Os retábulos são montados em blocos estruturais, tendo sempre como referências fotografias e registros documentais, para que pudéssemos fazer a identificação e reintegração das partes faltantes. Um verdadeiro quebra-cabeça de grandes proporções que ocupa uma área de 145 m²”, explica a coordenadora. 
Ela agradece a colaboração de outras instituições parceiras, pois sem as fotografias dos Acervos do Museu da imagem e do Som de Cuiabá (MISC), Arquidiocesana de Cuiabá (Mitra), Arquivo Público e o processo de tombamento dos retábulos do Iphan não seria possível remontar os retábulos e identificá-los.  
Após muita pesquisa, só em 2015 os retábulos foram montados em pé, apoiados em estruturas autoportantes, projetadas para que não causassem nenhum impacto na edificação. Trata-se de uma estrutura com um pé direito de 12 metros de altura, lançada do térreo ao primeiro piso, para segurar os enormes retábulos, que não encostam nas paredes.
“Um projeto inovador no Brasil, remontar em grande escala, altares de uma igreja organizados em uma nova edificação, numa área muito grande, dentro de um prédio tombado era nosso grande desafi e felizmente deu certo”, comemora Viviene.

O Livro

À ocasião da reabertura, será lançado o livro “Museu de Arte Sacra – Três décadas de Preservação, Valorização e Educação”, publicação que traz toda a historiografia desse museu que completa 39 anos em março. O livro, organizado pelos professores Renilson Rosa, Cristiane Thais do Amaral e pela diretora do MASMT, Viviene Lozi, revela os trabalhos desenvolvidos no museu nas últimas três décadas.
A publicação traz artigos, com a historiografia, iconografia e o processo de montagem dos quatro altares da antiga catedral, plano educativo, organização dos ambientes do museu e todo o trabalho desenvolvido pela Ação Cultual - Associação dos Produtores Culturais e da Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer de Mato Grosso, nos últimos dez anos de atuação no espaço museológico.   
Um capítulo especial da publicação revela ainda todos os passos para a complexa remontagem dos retábulos, das fichas catalográficas, inventariado, reintegração das peças faltantes até a idealização das estruturas autoportantes pela equipe de arquitetura e engenharia.
O Museu de Arte Sacra de Mato Grosso é um dos muitos aparelhos da Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer e fica aberto à visitação de quarta-feira à domingo, sempre das 9h às 19h.

Serviço

Tema: Museu de Arte Sacra de Mato Grosso reabre para o público
Quando: 07/02 (quinta-feira) 
Horário: a partir das 19h
Quem pode participar: Livre para todas as idades/ Entrada franca
Local: O Museu de Arte Sacra de Mato Grosso fica na Praça do Seminário, na Rua Clóvis Hugney, 239, bairro Dom Aquino. Funcionará de quarta-feira a domingo, das 9h às 17h. Ingresso a R$5.
Outras informações: (65) 3646-9101 ou (65) 98425-1443 (whatsApp - Imprensa)

Matéria Fonte : Protásio de Morais Secom/MT

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Jurunas (Yuruna, Yudjá)

Os Jurunas tem como tronco linguístico o Tupi da família Tupi-Juruna, se localizam ao norte do Parque Indígena do Xingu, bem como junto ao baixo Rio Xingu, no Pará, num local denominado Terra Indígena Pequiçamba. Conhecidos como Jurunas, cujo significado “Bocas Pretas” é devido à pintura preta que descia do alto da cabeça até em volta da boca. No meado do século XIX, tinha uma população de mais de 2.000 pessoas, hoje são aproximadamente 390 pessoas (dados Unifesp/2012), vivendo em seis aldeias: Tubatuba, Pakisamba, Pakaya, Paroreda, Pequizal e Kamai.

Santo do pau oco no Museu de Arte Sacra

A expressão surgiu provavelmente em Minas Gerais, entre o final do século XVII e o início do século XVIII. Era o Período Colonial, o auge da mineração no País.

Para driblar a cobrança do "quinto", o imposto de 20% que a Coroa Portuguesa cobrava de todos os metais preciosos garimpados no Brasil, santos em madeira oca eram esculpidos e, posteriormente, recheados de ouro.

Museu de Arte Sacra de Mato Grosso retoma suas atividades em fevereiro

Anote no calendário: no dia 7 de fevereiro, o Museu de Arte Sacra de Mato Grosso (MASMT) abre novamente suas portas ao público para a visitação com suas exposições. A equipe interna da Ação Cultural já está se movendo para ajustar dos detalhes finais para a reabertura. Na última quarta-feira (26), reuniram no MASMT, representantes da coordenação de patrimônio da Secretaria Estadual de Cultura (SEC-MT) e equipe da Ação Cultural para conferir todo o acervo do espaço museológico e há previsão de que nos próximos dias seja feita a higienização do acervo, assim como seu acondicionamento e colocação em invólucros apropriados. Entre os ajustes finais para a reabertura, está em execução os reparos na edificação, tais como: telhado, calhas, paredes, pinturas, dedetização, carga em extintores, placas de sinalizações, e readequação dos banheiros para proporcionar acessibilidade às pessoas com deficiências, além da montagem das exposições de longa duração. O Museu de Arte Sacra de Mato …