Pular para o conteúdo principal

Política de Visitação




Ajude a preservar as obras 
Não toque nas obras expostas. A pele humana acumula resíduos que podem danificar as obras de arte, caso sejam manipuladas. Portanto, tocá-las não é permitido. Aprecie apenas com os olhos!  A manipulação das obras só pode ser realizada pelos profissionais do museu, capacitados para este fim. 

Atenção: temos guarda-volumes! 
Circular no espaço expositivo portando volumes como bolsas, mochilas e sacolas pode representar risco às obras e desconforto durante a visita. Para evitar acidentes, antes de entrar no espaço expositivo, guarde seus pertences nos guarda-volumes do Museu. Os guarda-volumes devem ser utilizados também para acondicionar guarda-chuvas, brinquedos, tripés fotográficos e objetos pontiagudos.

Obs.: Caso tenha esquecido algum pertence em nosso guarda-volumes, procure nossa bilheteria de terça a domingo, de 9h às 18h. 

O Museu é lugar de criança! Mas lembre-se dos cuidados. 
Na visitação é permitido que crianças com até 3 anos levem seus brinquedos, desde que sejam de borracha e de pequenos formatos. Outros tipos devem ser deixados pelos pais no guarda-volumes. O Museu possui apenas uma entrada e uma saída para os visitantes. Ainda assim, é importante ficar atento à circulação das crianças nos espaços do MASMT. Evite que elas corram e se aproximem bruscamente das obras de arte. Algumas peças expostas são instáveis e sua queda poderá ocasionar acidentes, colocando em risco as próprias crianças.

Alimente-se nas áreas abertas do MASMT
Comidas e bebidas não combinam com obras de arte. Faça suas refeições antes ou depois de percorrer as exposições, a seu critério. Frascos e garrafas que contenham líquidos devem ser deixados no guarda-volumes, antes de entrar no espaço expositivo.

Registros para a posteridade
O visitante pode fotografar as obras com celulares e câmeras desde que não utilize flash. No entanto, filmagens e fotografias com câmeras semi ou profissionais são permitidas apenas com a autorização prévia e após o preenchimento da Declaração de Uso de Imagem fornecido pelo MASMT.

Aqui não se fuma
Por determinação da Lei n° 9.294, de 15 de julho de 1996, a restrição ao fumo aplica-se a áreas total ou parcialmente fechadas e aos locais de circulação ou permanência de visitantes e funcionários.

Visitação em grupo
Caso a quantidade de um grupo de visitantes seja acima de quinze pessoas, os monitores farão uma divisão do grupo e guiarão um de cada vez pelo espaço expositivo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

História de Nossa Senhora Aparecida, e algumas representações artísticas

A imagem de Nossa Senhora Aparecida foi encontrada por dois pescadores do Rio Paraíba do Sul, na região de  Guaratinguetá, estado de São Paulo, por volta do ano de 1717. Os pescadores Domingos Martins Garcia, João Alves e Filipe  Pedroso já pescavam há bastante tempo, sem que conseguissem tirar peixe algum das águas do rio. Foi quando João trouxe em sua rede a parte correspondente ao corpo da imagem e, depois, lançando a rede um pouco mais distante, trouxe nela a cabeça da Senhora. Dali por diante, a pescaria tornou-se copiosa e, receosos de que a quantidade de peixe trazida para os barcos ocasionasse um naufrágio, os três amigos voltaram para casa, trazendo a imagem e contando a todos o prodígio que haviam vivido.

Os Jurunas (Yuruna, Yudjá)

Os Jurunas tem como tronco linguístico o Tupi da família Tupi-Juruna, se localizam ao norte do Parque Indígena do Xingu, bem como junto ao baixo Rio Xingu, no Pará, num local denominado Terra Indígena Pequiçamba. Conhecidos como Jurunas, cujo significado “Bocas Pretas” é devido à pintura preta que descia do alto da cabeça até em volta da boca. No meado do século XIX, tinha uma população de mais de 2.000 pessoas, hoje são aproximadamente 390 pessoas (dados Unifesp/2012), vivendo em seis aldeias: Tubatuba, Pakisamba, Pakaya, Paroreda, Pequizal e Kamai.

Santo do pau oco no Museu de Arte Sacra

A expressão surgiu provavelmente em Minas Gerais, entre o final do século XVII e o início do século XVIII. Era o Período Colonial, o auge da mineração no País.

Para driblar a cobrança do "quinto", o imposto de 20% que a Coroa Portuguesa cobrava de todos os metais preciosos garimpados no Brasil, santos em madeira oca eram esculpidos e, posteriormente, recheados de ouro.