Pular para o conteúdo principal

Museus e EAD: ensino em tempos de distanciamento social com Ana Graciela - MASMT em Casa

A sociedade foi surpreendida pela pandemia do coronavírus e muitos setores foram afetados, entre estes a Cultura e a Educação. Os impactos do Covid-19 culminaram no fechamento dos espaços e estabelecimentos culturais, como museus, e de ensino. Escolas, educadores e profissionais da cultura foram obrigados a se adaptar rapidamente a um novo cenário, a transição do sistema presencial para o online. Pouco tempo, busca por recursos e ferramentas, sensibilização do público para uma nova realidade, como agir? A live abordará reflexões sobre este novo cenário e o que pode ser feito no ensino e acesso a cultura, especialmente na educação museal.

Quem é Ana Graciela?
 Ana Graciela Mendes da Fonseca é docente colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Ensino (Unic/IFMT), Pós-Doutorado na modalidade bolsista Júnior CNPq pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Doutora em Comunicação Social pela Universidade Metodista de São Paulo, Mestre em Estudos de Cultura Contemporânea e Graduada em Comunicação Social com habilitação em Radialismo pela UFMT. Atualmente docente da Universidade de Cuiabá nos cursos de Jornalismo e Publicidade e também na pós-graduação, além de professora substituta na UFMT nos cursos de Radialismo, Cinema e Audiovisual. Desde o doutorado desenvolve pesquisas e publicações na área de Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação e Ensino-Aprendizagem. Faz parte da equipe de multiplicadores do projeto Educamídia, programa de Educação Midiática para educadores. Trabalhou por cerca de 10 anos com elaboração de projetos para Leis de Incentivo à Cultura e em projetos educativos para exposições, salões, bienais e museus de Arte e Arte Sacra de Mato Grosso. Atualmente compõem a Diretoria Executiva da Organização Social Ação Cultural.


A live foi exibida no dia 18/04/2020 no Instagram do Museu de Arte Sacra MT.

Siga o museu em todas as redes sociais: 
Instagram: @museudeartesacramt 
Twitter: @artesacramt 
Facebook: Museu de Arte Sacra de Mato Grosso 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

História de Nossa Senhora Aparecida, e algumas representações artísticas

A imagem de Nossa Senhora Aparecida foi encontrada por dois pescadores do Rio Paraíba do Sul, na região de  Guaratinguetá, estado de São Paulo, por volta do ano de 1717. Os pescadores Domingos Martins Garcia, João Alves e Filipe  Pedroso já pescavam há bastante tempo, sem que conseguissem tirar peixe algum das águas do rio. Foi quando João trouxe em sua rede a parte correspondente ao corpo da imagem e, depois, lançando a rede um pouco mais distante, trouxe nela a cabeça da Senhora. Dali por diante, a pescaria tornou-se copiosa e, receosos de que a quantidade de peixe trazida para os barcos ocasionasse um naufrágio, os três amigos voltaram para casa, trazendo a imagem e contando a todos o prodígio que haviam vivido.

Os Jurunas (Yuruna, Yudjá)

Os Jurunas tem como tronco linguístico o Tupi da família Tupi-Juruna, se localizam ao norte do Parque Indígena do Xingu, bem como junto ao baixo Rio Xingu, no Pará, num local denominado Terra Indígena Pequiçamba. Conhecidos como Jurunas, cujo significado “Bocas Pretas” é devido à pintura preta que descia do alto da cabeça até em volta da boca. No meado do século XIX, tinha uma população de mais de 2.000 pessoas, hoje são aproximadamente 390 pessoas (dados Unifesp/2012), vivendo em seis aldeias: Tubatuba, Pakisamba, Pakaya, Paroreda, Pequizal e Kamai.

Santo do pau oco no Museu de Arte Sacra

A expressão surgiu provavelmente em Minas Gerais, entre o final do século XVII e o início do século XVIII. Era o Período Colonial, o auge da mineração no País.

Para driblar a cobrança do "quinto", o imposto de 20% que a Coroa Portuguesa cobrava de todos os metais preciosos garimpados no Brasil, santos em madeira oca eram esculpidos e, posteriormente, recheados de ouro.