Pular para o conteúdo principal

Equipamentos culturais garantem diversão para as férias de julho



No Museu de Arte Sacra de Mato Grosso a proposta é oferecer uma vivência cultural e educativa dentro do equipamento cultural. A equipe preparou atividades artísticas e lúdicas para as crianças de 06 a 11 anos, que participarão de visitas mediadas, jogos (quebra-cabeça com materiais recicláveis e vogais), oficinas (desenho, montagem de camiseta), modelagem de argila e teatro de fantoche. As crianças também irão participar de um treinamento para serem mediadores mirins, e ao final poderão fazer a condução de uma visita, apresentando o Museu para familiares.
A oficina de desenhos contará com participação do arquiteto e artista plástico Carlos Pina. A oficina de montagem de camisetas - Varal dos Sonhos - será mediada pela artista Lua Brandão, que, no projeto, estimula as crianças a falar sobre os sonhos de vida e a desenharem numa camiseta branca. Ao fim da colônia de férias, haverá apresentação de uma peça de teatro de fantoches e será montada uma exposição com os trabalhos desenvolvidos pelos participantes. As famílias serão convidadas a prestigiar.
A colônia de férias no Museu de Arte Sacra será entre os dias 17 e 21 de julho. Haverá duas turmas com idades diferentes. Para o público de 06 a 08 anos, as atividades ocorrerão das 8h às 12h. Os maiores, de 09 a 11 anos, participam no período da tarde, das 13h às 17h. As inscrições estão abertas e custam R$ 50 reais (para compra de materiais e lanches). Ao todo, são 60 vagas.




Material fonte :  http://www.cultura.mt.gov.br/-/12088062-equipamentos-culturais-garantem-diversao-para-as-ferias-de-julho /  por Graciele Leite Assessoria Secel 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Jurunas (Yuruna, Yudjá)

Os Jurunas tem como tronco linguístico o Tupi da família Tupi-Juruna, se localizam ao norte do Parque Indígena do Xingu, bem como junto ao baixo Rio Xingu, no Pará, num local denominado Terra Indígena Pequiçamba. Conhecidos como Jurunas, cujo significado “Bocas Pretas” é devido à pintura preta que descia do alto da cabeça até em volta da boca. No meado do século XIX, tinha uma população de mais de 2.000 pessoas, hoje são aproximadamente 390 pessoas (dados Unifesp/2012), vivendo em seis aldeias: Tubatuba, Pakisamba, Pakaya, Paroreda, Pequizal e Kamai.

História de Nossa Senhora Aparecida, e algumas representações artísticas

A imagem de Nossa Senhora Aparecida foi encontrada por dois pescadores do Rio Paraíba do Sul, na região de  Guaratinguetá, estado de São Paulo, por volta do ano de 1717. Os pescadores Domingos Martins Garcia, João Alves e Filipe  Pedroso já pescavam há bastante tempo, sem que conseguissem tirar peixe algum das águas do rio. Foi quando João trouxe em sua rede a parte correspondente ao corpo da imagem e, depois, lançando a rede um pouco mais distante, trouxe nela a cabeça da Senhora. Dali por diante, a pescaria tornou-se copiosa e, receosos de que a quantidade de peixe trazida para os barcos ocasionasse um naufrágio, os três amigos voltaram para casa, trazendo a imagem e contando a todos o prodígio que haviam vivido.

Santo do pau oco no Museu de Arte Sacra

A expressão surgiu provavelmente em Minas Gerais, entre o final do século XVII e o início do século XVIII. Era o Período Colonial, o auge da mineração no País.

Para driblar a cobrança do "quinto", o imposto de 20% que a Coroa Portuguesa cobrava de todos os metais preciosos garimpados no Brasil, santos em madeira oca eram esculpidos e, posteriormente, recheados de ouro.