Pular para o conteúdo principal

Altares remanescentes da Catedral demolida são destaque na cerimônia de reabertura do Museu de Arte Sacra




Após dois longos anos, o Museu de Arte Sacra de Mato Grosso (MAS-MT) está com as portas abertas novamente. Com novas alas, mais acessibilidade e um acervo de valor imensurável, a população poderá visitá-lo de quarta-feira a domingo, sempre das 9h às 17h.
Na cerimônia de reabertura, que começou cerca de 20h, o calor de quase 40° parecia não incomodar os visitantes que transitavam pelas galerias bem iluminadas do velho-novo museu, fundado em 1980.  
Ao lado da Igreja do Bom Despacho, no complexo Seminário Nossa Senhora da Conceição, edificado 1858, personalidades políticas e religiosas, agentes culturais e entusiastas estiveram presentes na cerimônia que abalizou a reinauguração deste que é um dos mais importantes patrimônios da tricentenária Cuiabá.




Presente na reabertura do Museu, o governador Mauro Mendes disse que é muito importante para a sociedade valorizar sua cultura e revisitar sua história sempre.
“Nenhum povo é capaz de caminhar em direção ao futuro sem compreender o presente e valorizar o passado. Estamos escrevendo a história agora também. Aquilo que seremos no futuro depende muito da nossa capacidade de compreender os desafios, tomar as decisões certas, arregaçar as mangas e trabalhamos juntos. Hoje estamos dando um passo importante, uma demonstração de que valorizamos e valorizaremos sempre todos aqueles que contribuíram e contribuem para a preservação da nossa cultura”.
Um dos grandes destaques dessa nova fase do Museu é a ala reservada aos retábulos da antiga catedral, Igreja Bom Jesus de Cuiabá. São dois altares dos séculos XVIII e XIX, de 8 metros de altura cada, um neoclássico e outros barroco rococó, expostos pela primeira vez desde que a antiga Catedral foi demolida, em 1968.
A coordenadora do MAS-MT, Viviene Lozi, comemora. “Estamos imensamente felizes por trazer este museu de volta à visitação. E mais felizes ainda por poder entregar também esses retábulos, tão representativos para a nossa história e nossa identidade”.
Segundo ela, há mais novidades pela frente. No aniversário de 300 anos de Cuiabá, serão entregues outros dois retábulos barrocos da antiga Catedral. “Só tenho a agradecer pela confiança que o poder público depositou na instituição que já está à frente do museu há uma década”, referindo-se à Associação dos Produtores Culturais de Mato Grosso.
Para o secretário de Cultura, Esporte e Lazer, Allan Kardec, fa retomada do museu é uma prova de que todos os esforços da atual gestão estarão voltados de maneira bastante sensível para o patrimônio histórico e cultural. "Queremos fazer muito mais pelas artes e pelos agentes da cultura. É certo que já estamos nos organizando para reabrir outros equipamentos culturais tão importantes quanto este”.
Ele ressaltou a importância da restauração dos retábulos, da conservação do acervo de peças de arte sacra e relembrou que o espaço é de uma riqueza histórica ímpar. “Há um século, esta era a morada de Dom Aquino Corrêa e hoje, o Museu salvaguarda parte de sua memorabília e conserva itens que trazem à memória outros importantes períodos da história mato-grossense. É uma honra poder participar deste momento”.
À ocasião da reabertura, foi lançado o livro “Museu de Arte Sacra – Três décadas de Preservação, Valorização e Educação”, publicação que traz toda a historiografia desse museu que completa 39 anos em março. O livro, organizado pelos professores Renilson Rosa, Cristiane Thais do Amaral e pela diretora do MASMT, Viviene Lozi, revela os trabalhos desenvolvidos no museu nas últimas três décadas. 

Serviço

O Museu de Arte Sacra de Mato Grosso fica na Praça do Seminário, na Rua Clóvis Hugney, 239, bairro Dom Aquino. Aberto à visitação de quarta-feira a domingo, das 9h às 17h. Ingresso a R$5. Outras informações: (65) 3646-9101 

Material Fonte : Protásio de Morais Secom/MT 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

História de Nossa Senhora Aparecida, e algumas representações artísticas

A imagem de Nossa Senhora Aparecida foi encontrada por dois pescadores do Rio Paraíba do Sul, na região de  Guaratinguetá, estado de São Paulo, por volta do ano de 1717. Os pescadores Domingos Martins Garcia, João Alves e Filipe  Pedroso já pescavam há bastante tempo, sem que conseguissem tirar peixe algum das águas do rio. Foi quando João trouxe em sua rede a parte correspondente ao corpo da imagem e, depois, lançando a rede um pouco mais distante, trouxe nela a cabeça da Senhora. Dali por diante, a pescaria tornou-se copiosa e, receosos de que a quantidade de peixe trazida para os barcos ocasionasse um naufrágio, os três amigos voltaram para casa, trazendo a imagem e contando a todos o prodígio que haviam vivido.

Os Jurunas (Yuruna, Yudjá)

Os Jurunas tem como tronco linguístico o Tupi da família Tupi-Juruna, se localizam ao norte do Parque Indígena do Xingu, bem como junto ao baixo Rio Xingu, no Pará, num local denominado Terra Indígena Pequiçamba. Conhecidos como Jurunas, cujo significado “Bocas Pretas” é devido à pintura preta que descia do alto da cabeça até em volta da boca. No meado do século XIX, tinha uma população de mais de 2.000 pessoas, hoje são aproximadamente 390 pessoas (dados Unifesp/2012), vivendo em seis aldeias: Tubatuba, Pakisamba, Pakaya, Paroreda, Pequizal e Kamai.

Santo do pau oco no Museu de Arte Sacra

A expressão surgiu provavelmente em Minas Gerais, entre o final do século XVII e o início do século XVIII. Era o Período Colonial, o auge da mineração no País.

Para driblar a cobrança do "quinto", o imposto de 20% que a Coroa Portuguesa cobrava de todos os metais preciosos garimpados no Brasil, santos em madeira oca eram esculpidos e, posteriormente, recheados de ouro.