Pular para o conteúdo principal

Você sabe a diferença entre arte sacra e arte religiosa?

Pietà (em português Piedade) de Michelangelo

Arte religiosa e arte sacra não têm o mesmo significado, pois uma obra pode ser produzida sob a inspiração divina, mas não ser voltada para o culto. Portanto, esta tem um destino concreto, o de servir a rituais litúrgicos. Jacques Maritain destaca a distinção, dentro da esfera da arte, da produção cristã e, inserida nesta, a atuação da arte sacra, através de elementos espirituais que compõem sua essência.


A arte sacra popular não apresenta formas lapidadas, enquanto a arte sacra clássica revela artistas com um talento sublime. A arte religiosa é um reflexo da essência humana, um processo interno do artista, sua imagem do amor divino. Ela é, assim, subordinada à religião institucional. A arte sacra está, portanto, impregnada dessas características, mas diferencia-se por ser imanente ao culto sagrado. Sua intenção é despertar nos fiéis emoções puras e singelas, revelar-lhes a visão do Paraíso ainda na Terra, um lampejo da perfeição. Mas estas obras, distintas das cristãs em geral, não devem chocar os frequentadores das Igrejas nas quais estão expostas, nem ferir suscetibilidades, muito menos criar controvérsias ou questionar dogmas e conceitos religiosos. Seus fins são estritamente pragmáticos.

fonte:http://www.infoescola.com/artes/arte-sacra/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Jurunas (Yuruna, Yudjá)

Os Jurunas tem como tronco linguístico o Tupi da família Tupi-Juruna, se localizam ao norte do Parque Indígena do Xingu, bem como junto ao baixo Rio Xingu, no Pará, num local denominado Terra Indígena Pequiçamba. Conhecidos como Jurunas, cujo significado “Bocas Pretas” é devido à pintura preta que descia do alto da cabeça até em volta da boca. No meado do século XIX, tinha uma população de mais de 2.000 pessoas, hoje são aproximadamente 390 pessoas (dados Unifesp/2012), vivendo em seis aldeias: Tubatuba, Pakisamba, Pakaya, Paroreda, Pequizal e Kamai.

Santo do pau oco no Museu de Arte Sacra

A expressão surgiu provavelmente em Minas Gerais, entre o final do século XVII e o início do século XVIII. Era o Período Colonial, o auge da mineração no País.

Para driblar a cobrança do "quinto", o imposto de 20% que a Coroa Portuguesa cobrava de todos os metais preciosos garimpados no Brasil, santos em madeira oca eram esculpidos e, posteriormente, recheados de ouro.

Museu de Arte Sacra de Mato Grosso retoma suas atividades em fevereiro

Anote no calendário: no dia 7 de fevereiro, o Museu de Arte Sacra de Mato Grosso (MASMT) abre novamente suas portas ao público para a visitação com suas exposições. A equipe interna da Ação Cultural já está se movendo para ajustar dos detalhes finais para a reabertura. Na última quarta-feira (26), reuniram no MASMT, representantes da coordenação de patrimônio da Secretaria Estadual de Cultura (SEC-MT) e equipe da Ação Cultural para conferir todo o acervo do espaço museológico e há previsão de que nos próximos dias seja feita a higienização do acervo, assim como seu acondicionamento e colocação em invólucros apropriados. Entre os ajustes finais para a reabertura, está em execução os reparos na edificação, tais como: telhado, calhas, paredes, pinturas, dedetização, carga em extintores, placas de sinalizações, e readequação dos banheiros para proporcionar acessibilidade às pessoas com deficiências, além da montagem das exposições de longa duração. O Museu de Arte Sacra de Mato …