Pular para o conteúdo principal

Os Jurunas (Yuruna, Yudjá)




Os Jurunas tem como tronco linguístico o Tupi da família Tupi-Juruna, se localizam ao norte do Parque Indígena do Xingu, bem como junto ao baixo Rio Xingu, no Pará, num local denominado Terra Indígena Pequiçamba. Conhecidos como Jurunas, cujo significado “Bocas Pretas” é devido à pintura preta que descia do alto da cabeça até em volta da boca. No meado do século XIX, tinha uma população de mais de 2.000 pessoas, hoje são aproximadamente 390 pessoas (dados Unifesp/2012), vivendo em seis aldeias: Tubatuba, Pakisamba, Pakaya, Paroreda, Pequizal e Kamai.






 Devido a "batalhas" entre outros grupos indígenas e não índios, deixaram seu território tradicional, na Grande Volta do Rio Xingu entre Altamira (Pará) e a boca do Rio Fresco, e subiram o rio buscando fugir da escravidão e dos conflitos com os seringalistas que os queriam explorar como mão de obra barata.


Apesar dos conflitos e de habitarem outras terras, os Jurunas mantêm sua essência, um povo vaidoso e festivo; são exímios canoeiros, fazem trabalhos artesanais, os quais utilizam os grafismos próprios ricos em significados e cores. E por fim, têm uma relação muito próxima com o rio, o qual serve como caminho e ligação com a memória dos antepassados. 



Fotografias da exposição: "Yudjá: Os Donos do Rio" de Téo de Miranda. 

*A exposição segue até dia 25 de outubro de 2015.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

História de Nossa Senhora Aparecida, e algumas representações artísticas

A imagem de Nossa Senhora Aparecida foi encontrada por dois pescadores do Rio Paraíba do Sul, na região de  Guaratinguetá, estado de São Paulo, por volta do ano de 1717. Os pescadores Domingos Martins Garcia, João Alves e Filipe  Pedroso já pescavam há bastante tempo, sem que conseguissem tirar peixe algum das águas do rio. Foi quando João trouxe em sua rede a parte correspondente ao corpo da imagem e, depois, lançando a rede um pouco mais distante, trouxe nela a cabeça da Senhora. Dali por diante, a pescaria tornou-se copiosa e, receosos de que a quantidade de peixe trazida para os barcos ocasionasse um naufrágio, os três amigos voltaram para casa, trazendo a imagem e contando a todos o prodígio que haviam vivido.

Santo do pau oco no Museu de Arte Sacra

A expressão surgiu provavelmente em Minas Gerais, entre o final do século XVII e o início do século XVIII. Era o Período Colonial, o auge da mineração no País.

Para driblar a cobrança do "quinto", o imposto de 20% que a Coroa Portuguesa cobrava de todos os metais preciosos garimpados no Brasil, santos em madeira oca eram esculpidos e, posteriormente, recheados de ouro.