Pular para o conteúdo principal

ATENÇÃO... Encerrada as Matrículas Para a 1ª Oficina de Desenho Técnico e Criação




MINISTRANTE: SILVIOLE


DATAS: 09 à 20 de julho de 2012, das 14: 00 h às 16: 00 h (segunda a sexta feira)

LOCAL: Museu de Arte Sacra - Endereço: Avenida Clovis Hugney - Complexo N. Sra da Conceição, n°: 239-B, Bairro: Dom Aquino ao lado da Igreja de Nossa Senhora do Bom Despanho - Cuiabá- MT.

VAGAS:  de 10 a 20 alunos no máximo. Caso tenha mais de 20 pessoas serão abertas duas turmas.

CARGA HORÁRIA: 20 horas

IDADE MÍNIMA: 18 anos

CURSO GRATUITO

INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 06 DE JULHO DE 2012

 
Fichas de Inscrição disponíveis pelo link: a 1ª Oficina de Desenho Técnico/ Criação



EMENTA

1.    Apresentação:


Realização da 1ª Oficina de Desenho Técnico Publicitário/ Criação que será realizada no período de 02 à 13 de julho de 2012, das 14: 00 h às 16: 00 h no Museu de Arte Sacra de Mato Grosso em Cuiabá com carga horária de 20 horas.


2.    Objetivo do Curso


Qualificar os alunos para o entendimento de criação e criatividade da 
Oficina de Desenho Técnico Publicitário/ Criação , contextualizar no tempo e no espaço de sua realização.
Este curso é voltado para quem gosta de realizar fantásticas viagens com apenas um papel e um lápis.
Com fundamentos e técnicas específicas de desenho de observação, em pouquíssimo tempo os alunos aprendem a reproduzir paisagens, objetos, pessoas,  personagens e muito mais. além disso aprendem a visualizar distâncias e alturas.

3.    Conteúdo programático


•    Treinamentos para exercitar as mãos;

•    Simbologias das cores;
•    Multiplicação das cores;
•    Distribuição das cores;
•    Cores primárias, secundárias, terciárias e inexistentes;
•    Os valores tonais;
•    Feixes luminosos;
•    Os distintos planos da paisagem;
•    Noções elementares;
•    Campos e módulos das letras;
•    Distribuição dos textos;
•    Como medir a distância/ visor de cartão;
•    Medidas intermediárias; vertical e horizontal;
•    Matérias sobre publicidade, propaganda e perspectiva, iluminação, valores tonais e muito mais.

4.    Metodologia e Conteúdo Programático


•    Dinâmica de grupo;

•    Avaliação inicial;
•    Trabalho em grupo;
•    Avaliação final individual;
•    Entrega dos certificados de participação ativa na oficina.

5.    Materiais necessários por Aluno


•    Um chamequinho com 100 folhas;

•    2 Lápis pretos;
•    2 Canetas esferográficas de cor preta ou azul;
•    1 Caderno com pauta;
•    1 Régua de 30 cm;
•    1 Borracha branca.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

História de Nossa Senhora Aparecida, e algumas representações artísticas

A imagem de Nossa Senhora Aparecida foi encontrada por dois pescadores do Rio Paraíba do Sul, na região de  Guaratinguetá, estado de São Paulo, por volta do ano de 1717. Os pescadores Domingos Martins Garcia, João Alves e Filipe  Pedroso já pescavam há bastante tempo, sem que conseguissem tirar peixe algum das águas do rio. Foi quando João trouxe em sua rede a parte correspondente ao corpo da imagem e, depois, lançando a rede um pouco mais distante, trouxe nela a cabeça da Senhora. Dali por diante, a pescaria tornou-se copiosa e, receosos de que a quantidade de peixe trazida para os barcos ocasionasse um naufrágio, os três amigos voltaram para casa, trazendo a imagem e contando a todos o prodígio que haviam vivido.

Os Jurunas (Yuruna, Yudjá)

Os Jurunas tem como tronco linguístico o Tupi da família Tupi-Juruna, se localizam ao norte do Parque Indígena do Xingu, bem como junto ao baixo Rio Xingu, no Pará, num local denominado Terra Indígena Pequiçamba. Conhecidos como Jurunas, cujo significado “Bocas Pretas” é devido à pintura preta que descia do alto da cabeça até em volta da boca. No meado do século XIX, tinha uma população de mais de 2.000 pessoas, hoje são aproximadamente 390 pessoas (dados Unifesp/2012), vivendo em seis aldeias: Tubatuba, Pakisamba, Pakaya, Paroreda, Pequizal e Kamai.

Santo do pau oco no Museu de Arte Sacra

A expressão surgiu provavelmente em Minas Gerais, entre o final do século XVII e o início do século XVIII. Era o Período Colonial, o auge da mineração no País.

Para driblar a cobrança do "quinto", o imposto de 20% que a Coroa Portuguesa cobrava de todos os metais preciosos garimpados no Brasil, santos em madeira oca eram esculpidos e, posteriormente, recheados de ouro.